Alunos da rede pública recebem premiação durante a Feira do Livro


O Espaço Multiuso da 15ª Feira Internacional do Livro, que acontece no Clube Gresfi, ficou lotado na tarde do último sábado, para a premiação do 2º Concurso de Desenhos e produção de textos sobre Direitos Humanos, idealizado pela Secretaria Extraordinária de Direitos Humanos e Relações com a Comunidade e a Secretaria de Educação. 

 

Pais e estudantes estiveram no local para receber uma premiação que incluiu jogos e uma réplica do trabalho enquadrado. No total 42 crianças foram premiadas. Não houve classificação, apenas a escolha de 21 desenhos e 22 textos, que melhor representaram a temática. A entrega foi feita por autoridades.

 

“A realização desse concurso vem fortalecer laços com os Direitos Humanos, e isso é bastante valioso para nossas crianças, pois amplia a maneira como enxergam sua própria capacidade de desenvolvimento”, disse o prefeito Chico Brasileiro. 

 

A secretária de Direitos Humanos, Rosa Maria Jerônymo ressaltou a intenção de ofertar às crianças a compreensão sobre o tema. “Hoje o conceito de direitos humanos é deturpado, então nós entendemos que essa discussão deve ser feita porque trata de direitos essenciais na vida de todos, e também para que a criança construa um conceito como de fato é, para que possa exercitar sua cidadania”. 

 

Apresentar o tema de forma lúdica às crianças também permitiu, segundo a secretária de Educação Justina da Silva, maior absorção do tema. “O incentivo à cidadania é algo que fica para o futuro dessas crianças, e também para a família”.

 

Participaram do concurso crianças do 4º e 5º anos, de 30 escolas. Os quartos anos realizaram a produção de desenhos, e dos quintos, textos. Toda a produção foi avaliada por um grupo de convidados. “O conteúdo da produção foi muito rico e interessante”, comentou o advogado membro do Centro de Direitos Humanos, Ian Vargas. 

 

 
Premiados

Entre os premiados estavam Laisa Ramos da Cruz, 10, do 5º ano. “Escrevi sobre o dia que celebra os direitos humanos e aprendi que as crianças tem direito a estudar, a ter liberdade”, explicou. Artur Thomas, 9 posou ao lado do desenho. “Achei que era bom colocar sobre a escola, porque a gente precisa dela”. 

 

Para a diretora de uma das escolas premiadas, Cátia Gadonski, o trabalho com as crianças reflete-se em outras ações. “A ideia foi bem recebida por todos, é bom ver como o tema acaba sendo replicado para toda a família”.